01/03/2019

"Plano Família" é armadilha para os trabalhadores

 

     Após as últimas discussões sobre o plano de saúde realizadas no último dia 27 em Brasília, fica cada vez mais evidente que a intenção da ECT é retirar pais e mães do plano de saúde.

     A ideia de que o Plano de Saúde dos ecetistas é inviável para a vitalidade financeira da empresa é um engodo usado para desmontar a ECT. Tanto que vem sendo implantado de maneira orquestrada, afetando outras estatais, a exemplo do que foi feito unilateralmente pela resolução nº23/018 da CGPAR (que determinou que o custeio de 50% dos planos de saúde da estatais seja pago pelos trabalhadores, além de extinguir dependentes e aposentados).

     A tática é a mesma: propõe-se uma solução absurda e completamente abusiva, sem a qual é supostamente impossível resolver a situação. Seja no Governo – Temer abusou dessa prática e recuou estrategicamente para conseguir aprovação dos principais pontos, Bolsonaro segue pelo mesmo caminho – ou nos órgãos federais, continuam jogando a conta para os trabalhadores.

     Primeiro buscam convencer os trabalhadores que sem o sacrifício – sempre deles, nunca da diretoria ou da presidência – o fim do direito é um destino. Depois, quando a proposta que foi feita para dar errado finalmente se torna um desastre, já não há como voltar atrás, pois uma série de questões jurídicas torna a burocracia infindável uma importante aliada dos patrões.

     Agora com o ataque direto aos dependentes, com entraves que começaram na implantação das mensalidades – como problemas no RH, emissão e liberação de guias e até mesmo a piora na qualidade do serviço com redução de rede de atendimento – o objetivo não é apenas a conta, mas também culpar os trabalhadores pela falência do plano.

     Explica-se: se, para custear o plano, é preciso que os trabalhadores paguem quase todo o seu próprio salário ou, em alguns casos, mais do que ganham, não haverá adesão. Ao apresentar um plano com valores de mercado para a categoria cujo salário é o menor entre as empresas públicas parece mesmo que a intenção é zombar dos ecetistas.

     A pressão feita pelo TST quando da judicialização da cláusula 28 que resultou na implantação deve servir como alerta de que a batalha não será fácil, mas é possível reverter mostrando que não deu certo e não tem chances de se resolver se a ECT continuar onerando seus funcionários.

Federação buscar atuar de maneira preventiva, mas não descarta mobilização nacional

     A FENTECT ingressou com um Procedimento de Mediação Pré-Processual para resguardar o direito dos trabalhadores e seus familiares ao plano de saúde e vai analisar os dados apresentados pela empresa. Toda a parte técnica contará com a assessoria do DIEESE para que a análise seja feita em proveito dos ecetistas, de forma a demarcar os prejuízos sofridos no último ano em consequência da implantação das mensalidades. As próximas reuniões estão previstas para os dias 19, 20 e 21 de março.

     A FENTECT também está buscando a unidade em diálogo com a outra federação para construir um movimento amplo e forte. No entanto somente a discussão e a participação dos trabalhadores conseguirá barrar este ataque. É preciso que a categoria entenda de uma vez que não se trata de ato isolado, mas de desmonte da ECT e do Estado brasileiro, visando a privatização. Por isso é preciso, sobretudo, mobilização. A FENTECT conclama todos os sindicatos filiados e suas bases a se manterem atentos ao calendário e prontos a resistir.

SAÚDE NÃO É NEGÓCIO!

CONTRA A RETIRADA DE PAIS E MÃES DO PLANO E CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DA ECT!

 

FONTE: Fentect

Fonte:

Comentários

Comente esta notícia:
Nome:  
Comentário:    
Compartilhe esta notícia:
Seu Nome:
Nome Destinatário:
Email Destinatário:
Informe o número que aparece na imagem ao lado  
Rua Ceará, 206 Prado
57010-350
Maceió - Alagoas